Entrevista com Maestro Washington Luís (CE)

Postado em: 3 de novembro de 2016 | Sem avaliação

Download PDF

A entrevista com o Maestro Washington Luís para o Portal revelou um homem vivido e experiente no mundo da música. Nasceu em Jucás, interior do Ceará (cidade com um pouco mais de 25 mil habitantes). Começou sua carreira com 9 anos de idade até alcançar a ocupação de regente na Banda Musical Padre Pio, da própria cidade. Banda Musical esta que já é uma das centenárias no cenário nacional.

Além dos grandes trabalhos realizados no cenário da música cearense, Maestro Washington Luís também dividiu notas musicais com grandes nomes da música cearense. Tais como Manuel Ferreira, Capitão Nascimento, Orlando Leite e outros magníficos nomes.

O Portal Brasil Sonoro convidou o Maestro Washington Luís para dividir um pouco de seu conhecimento sobre o mundo da música no cenário nordestino e nacional. Confira!

A entrevista com Maestro Washington Luís na íntegra

1) Maestro, como você vê o cenário das Bandas Musicais no Brasil, atualmente?

É um pouco complicado, afinal são bandas de pouco apoio (aqui na região de Jucás, claro). Pouquíssimas são inseridas em associações, e outras são financiadas por meios terceirizados via acordo com o município. Portanto, o pouco investimento gera limitações na hora de trabalhar. Entretanto, há também municípios que investem mais e, consequentemente, apresentam melhores resultados com suas Bandas Musicais.

2) Esse toque apaixonado que você dá a música. Você vê isso também no brasileiro? O brasileiro comum é um apaixonado por música?

As Bandas evoluíram muito. Muito mesmo! Temos um público bastante diversificado no Brasil. Abrangendo todos os instrumentos e gêneros musicais. Temos gêneros diferentes e gostos diferentes. Assim, para que sempre possamos manter o público, procuramos inovar a todo o momento. Precisamos trazer o público jovem, assim como precisamos que o público mais antigo permaneça. Aqui em Jucás – que posso falar com mais autoridade – uma festa sem Banda de Música não é festa, por exemplo. Por isso há pessoas muito apaixonadas, sim.

3) Maestro, você mencionou a questão da evolução das Bandas Musicais no Brasil. Impossível de não fazer uma associação com o uso da música em centenas de projetos sociais no Brasil. Aí eu te pergunto: você vê a música como uma ferramenta de transformação social?

Não só a música, mas dezenas de áreas, né? Mas a música é uma arte muito válida. A música pode ser uma porta de abertura para guiar a pessoa que poderia seguir por um caminho errado. Crimes, vícios e ‘n’ situações. Eu vejo que estados e empresas poderiam investir mais nessas alternativas sociais – tanto música como outros, claro. Transformar dinheiro em oportunidade. Isso seria benéfico demais se pudesse acontecer. Entretanto o apoio é pouco, e o interior é muito dependente do município. Acaba um setor ficando muito sobrecarregado.

4) Para encerrar nossa entrevista, Maestro, vamos terminar com uma opinião bem abrangente, ok? Como você vê a profissão de músico atualmente? O Brasil possibilita uma boa carreira neste meio?

Atualmente há bastante concorrência. Por outro lado ficou muito mais fácil viver da música, se compararmos com anos anteriores. Diversas oportunidades estão abertas. Bandas, orquestras, aulas em escolas particulares e muito mais. Antigamente, o músico era conhecido simplesmente como um vagabundo, a pessoa que “apenas toca”. As pessoas não entendiam que se precisa estudar, ensaiar e repetir. Hoje há esse entendimento e investimento. Por isso temos muitas oportunidades, não sendo perfeito, claro, mas tornou-se mais fácil.

Uma resposta para “Entrevista com Maestro Washington Luís (CE)”

  1. jacinto cruz neto disse:

    ótimo depoimento(entrevista) sobre as bandas de músicas no Brasil,a realidade é bem assim mesmo… precisamos unificar as diferenças para ficarmos mais fortes!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *