Entrevista – Maestro Rubinaldo Catanha (PE)

Postado em: 30 de Janeiro de 2017 | Sem avaliação

Download PDF

Natural de Santa Cruz do Capibaribe, agreste pernambucano. De voz suave, vida humilde e talento de sobra. Apesar de ter começado um pouco tarde no mundo da música, por volta dos 15 anos de idade, Rubinaldo Catanha se mostra um homem dedicado, e que busca viver como as notas musicais: uma por vez para criar a bela sinfonia de sua vida consagrada como músico.

 

Vindo de uma família de músicos, o talento corre as veias do Maestro, que atualmente trabalha e vive da música. O Portal Brasil Sonoro conversou com Runinaldo Catanha para conhecer sua história, sua visão atual sobre a música e como ele vê o atual cenário desta arte no Brasil.

 

A conversa entre o Portal Brasil Sonoro e Maestro Rubinaldo Catanha

 

PBrS: HÁ 30 ANOS NO MUNDO DA MÚSICA, MAESTRO, COMO TU VÊ A EVOLUÇÃO DAS BANDAS DE MÚSICA NO BRASIL?

 

Maestro: Vejo com muita preocupação. Há outras mídias, muita tecnologia, muita engenhosidade e pouca criatividade que surge na contramão. Há pouca contrução de novas ideias, e na questão da falta de apoio, isso é um grito. No segmento musical, em todo o Brasil, não há o investimento neste meio que não há segregação. É para 8 ou 80, para todas as raças, para todas as classes sociais e todos os gêneros. A música, infelizmente, vem a cada ano tendo notícias de encerramentos de banda. Isso me entristece muito.

 

PBrS: E VOCÊ VÊ UMA PARTICIPAÇÃO ATIVA NO PÚBLICO BRASILEIRO PARA CONTORNAR ISSO?

 

Maestro: Nós vivemos a época do comodismo. Comodismo com as tecnologias com benfeitorias que são necessárias, mas num comodismo criativo. O público acaba sendo um reflexo desta produção que não é criada. Há uma incultura que não ajuda os jovens a evoluir. Há trabalhos no Brasil que estão isolados, e ninguém vê. Tenho um olhar um pouco pessimista – e talvez realista – de que o público é apenas reflexo daquilo que não pode ser refletido, porque não há.

 

PBrS: A MÚSICA É UMA FORMA DE TRANSFORMAÇÃO SOCIAL, MAESTRO?

 

Maestro: Como a música é um espaço muito democrático, é muito prático inserir os jovens nesse meio. É uma forma, portanto, direta e barata de inclusão social. Infelizmente os governantes não investem como deveria. Mas a música é uma forma direta, agregadora e saudável de inserção social daqueles que estão à margem da sociedade; no ócio.

 

PBrS: PARA FINALIZARMOS, MAESTRO, O PORTAL GOSTARIA DE SABER SE VOCÊ VÊ COM BONS OLHOS VIVER DE MÚSICA NO BRASIL. AFINAL, É POSSÍVEL?

 

Maestro: Rapaz, eu te diria que qualquer profissão no Brasil está difícil. bom só para os maus políticos (risos), porque bons políticos ainda existem. Mas assim, tem que batalhar muito, estudar muito e atravessar as dificuldades. A cada vez, a cada ano, presenciamos isso. Pessoas sem talento acumulando milhões, enquanto muitos talentos vivem às migalhas. Então é um constante teste diário de superação e luta.

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-ShareAlike 4.0 International License.

3 respostas para “Entrevista – Maestro Rubinaldo Catanha (PE)”

  1. Marcos disse:

    O melhor músico que conheço pessoalmente. Jesus te abençoe sempre amigo pela sua enorme humildade Maestro Rubinaldo.

  2. Biuznho disse:

    O melhor Maestro e violonista que já conheci. Parabéns Catanha.

  3. Flávio Diunízio disse:

    Parabêns Rubinaldo!

    A luta constante de um ideal só é possível quando depositamos toda a nossa força e nela transformamos o impossível no possível, fazendo o sonho virá realidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *